O que é startup e o que a difere das empresas tradicionais?

O que é startup?

O termo startup nunca esteve tão na moda como nos dias de hoje. Frequentemente ouvimos falar ou lemos notícias sobre startups brasileiras que têm se destacado pela capacidade de resolver algum problema de forma rápida e eficaz, que até então ninguém havia solucionado. Mas se você está lendo este artigo, é muito provável que você queira respostas para perguntas como: o que é startup? E quais são as diferenças de uma startup para uma empresa tradicional?

Para respondê-las vou começar dando um exemplo de uma empresa tradicional na qual a minha esposa é dona e administra: uma panificadora. Segundo ela, a empresa fabrica uma média de 1.600 produtos por dia, entre eles roscas, bolos e biscoitos. Perguntei à ela se a empresa conseguiria dobrar em um dia a produção de pães e bolos sem aumentar o número de funcionários, máquinas e espaço. Ela disse que era impossível. No mínimo teria que ter mais um turno de trabalho, e para isso precisaria contratar mais funcionários. E triplicar a produção? Aí já demandaria mais máquinas e recursos tecnológicos mais avançados. Ou seja, se a empresa quiser crescer, os custos quase que aumentarão proporcionalmente.

Sabemos também que uma panificadora tradicional, com todo o respeito á minha digníssima esposa, não é das empresas mais inovadoras que existem, não é? Ela tem como diferencial a qualidade de seus pães e bolos, mas são produtos bem comuns e já produzidos há séculos pela nossa sociedade. Apesar de ser uma empresa muito bem conceituada na região, isso não faz dela uma startup. O motivo? Você já vai entender.

O que é startup?

Gosto de definir uma startup como uma empresa que nasce com o objetivo de solucionar um problema relevante na sociedade através da criação de produtos ou serviços inovadores, e que tem a capacidade de crescer e atender demandas cada vez maiores de forma sustentável e escalável.

Enquanto uma empresa tradicional tem como objetivo oferecer produtos ou serviços já conhecidos na sociedade, uma startup nasce com o propósito de causar um impacto na humanidade. O seu principal objetivo é tentar solucionar um problema de uma forma que até então ninguém conseguiu resolver, e para isso a solução precisa ser exclusiva, criativa e inovadora. E quando você decide construir algo inovador, você está automaticamente aceitando o fato de que o cenário no qual você vai conviver é de extrema incerteza. A grande maioria dos empreendedores de startups arriscam tempo, esforço e dinheiro em prol de executar uma ideia promissora sem saber o que vem pela frente.

Mas empreender em uma startup não significa dar tiros no escuro. Mesmo com este cenário cenário de incertezas, hoje você pode contar com a ajuda de diversas técnicas, ferramentas e livros que podem te auxiliar na validação de sua ideia e produto. Quer saber mais sobre isso? Leia o artigo sobre o que é Mínimo Produto Viável (MVP) e porque você deve começar por ele.

Escalar sem elevar os gastos

Além de inovadora, uma startup também precisa ter a capacidade de crescer e multiplicar a entrega de seus produtos ou serviços sem que os seus custos de produção aumentem proporcionalmente. Isso faz dela uma empresa altamente escalável. Quando você resolve um problema através de um aplicativo ou uma plataforma digital, por exemplo, a sua distribuição é quase ilimitada e seus custos crescem muito pouco em relação a receita gerada.

Um exemplo de empresa inovadora e escalável é a Airbnb. Para uma rede de hotéis tradicional crescer e expandir seus negócios, é necessário comprar mais lotes, construir mais prédios, contratar mais funcionários, arquitetos, engenheiros e daí por diante. Já uma startup como a Airbnb consegue multiplicar a quantidade de casas e quartos disponíveis em sua empresa diariamente e sem praticamente aumentar o custo de suas operações, afinal, qualquer pessoa que queira disponibilizar sua casa para hospedagem na plataforma consegue com menos de R$ 50,00.

Outro caso de empresa altamente escalável é a Uber. Enquanto uma empresa tradicional de transporte precisa adquirir mais automóveis para conseguir expandir e atender a demanda de mais clientes, a Uber multiplica a quantidade de carros disponíveis diariamente com um simples cadastro do motorista que disponibiliza o seu próprio carro na plataforma.

Inovar sendo disruptivo

Em muitos casos, ao criar soluções inovadoras, startups também acabam sendo disruptivas, mudando completamente a forma de resolver um problema. Anos atrás, para nos comunicar com pessoas distantes precisávamos contratar um plano de uma empresa de telefonia que nos disponibilizava minutos de ligação e pacotes de SMS de acordo com nossas necessidades. Eram sempre pacotes limitados e para realizar ligações para o exterior as taxas eram salgadas. O aplicativo Whastapp veio para mudar completamente este cenário. Somente com uma conexão á internet podemos fazer chamadas de áudio e vídeo para pessoas do mundo inteiro e enviar mensagens em tempo real de forma ilimitada e gratuita.

Startups que conseguem inovar resolvendo problemas relevantes em nossa sociedade quase sempre incomodam empresas tradicionais e as grandes corporações. A Nubank por exemplo se tornou uma pedra no sapato dos bancos tradicionais. A Netflix mudou a maneira de assistirmos filmes e séries e simplesmente acabou com as locadoras. A Waze acabou com as empresas de GPS como conhecíamos. E assim como estas, outras virão e continuarão mudando a forma de como resolvemos questões simples e complexas do nosso dia, nos mais diversos setores da sociedade.

Errar, aprender e continuar

Indo para o lado dos esportes, muitas vezes temos a impressão de que a grande maioria dos jogadores de futebol são bem sucedidos e ganham rios de dinheiro. Não é bem assim. A realidade é que a porcentagem de jogadores que conseguem jogar em um time pelo menos mediano não são nem 10% perto daqueles que tentam todos os dias e fracassam. A mesma coisa acontece no universo das startups. Nem todas serão sempre bem sucedidas em seus objetivos. Grande parte das startups falham e os motivos dariam outro artigo como este, mas dois deles eu gostaria de destacar aqui: desistir nos primeiros fracassos e a tentar resolver problemas que na verdade não existem.

Se tem interesse em iniciar uma startup, tenha em mente que o resultado poderá vir depois de muitos erros e aprendizados. Você precisa, antes de tudo, validar o problema – afinal, o que você quer resolver é um problema real e relevante para a sociedade? – e validar da solução deste problema – será que a minha solução realmente resolve este problema de forma bem mais rápida e eficiente do que as soluções já existentes?.

Após ter passado pelo processo de validação do problema e do MVP, você já está pronto para dar os próximos passos! Vamos criar o seu produto digital com a Balloon? Criamos soluções de acordo com suas necessidades.

Agora que você entendeu a diferença de uma startup para uma empresa tradicional, fique a vontade para deixar nos comentários suas dúvidas e considerações! Tem uma startup? Compartilha com a gente também!

Fabrício Augusto

Fabrício Augusto

Cristão, marido, desenvolvedor (web e de apps) e fundador da empresa Balloon. Tenho prazer em aprender e compartilhar conteúdos sobre inovação, startups, tecnologia e programação.

whatsapp_button